Europa

Dia 4: Córdoba através de Míriam

Pin
Send
Share
Send


Na sexta-feira de manhã, acordamos mais cedo. De acordo com o folheto que nos deram no posto de turismo, a entrada da mesquita era gratuita das 8h30 às 10h e queríamos tirar vantagem disso. Tivemos alguns churros e muffins com chocolate quente e café com leite em um bar ao lado do hotel, já que nenhum café da manhã era servido no hotel, e começamos. Descemos o bairro judeu até chegar à mesquita e entrarmos no Pátio dos Naranjos. Então, ao entrar no recinto, fiquei impressionado com a floresta de colunas, que parecia infinita, e com a atmosfera do lugar. Quase não havia turistas e, enquanto admirávamos os arcos fantásticos, recebemos o eco da massa e um leve cheiro de incenso. Fiquei muito impressionado e pensei que, apesar da chuva e do cansaço daqueles dias, valia a pena chegar lá! Não tínhamos olhos ou objetivos suficientes para poder admirar e fotografar tudo! Ficamos boquiabertos com o Mihrab, em um nicho em que ele estava hospedado no Corão. A cúpula do Mihrab é uma maravilha feita de mármore, decorada com mosaicos dourados. É impressionante!

No centro da mesquita é a catedral, que representa um contraste em comparação com o resto do recinto. A capela da catedral é linda, gótica e renascentista. No fundo, o coro de madeira de mogno, que contrasta com o mármore branco do resto da capela. Quando a missa terminou, pudemos entrar para ver os detalhes da catedral.

Por volta das 10h30, os primeiros grupos começaram a chegar e estávamos partindo, embora estivéssemos tristes em sair agora ... Depois de visitar a Mesquita-Catedral, tivemos que visitar a Sinagoga. Para chegar lá, nos perdemos em um labirinto de ruas muito estreitas. O recinto da sinagoga é muito pequeno comparado às dimensões da mesquita e nem toda a decoração mudéjar é preservada, mas os relevos dos arcos são realmente bonitos!

Ao sair da sinagoga, encontramos um agradável pátio aberto e entramos. Havia oficinas de artesanato e estávamos olhando um pouco para as peças e jóias de filigrana de prata. Às 12 horas, retornamos ao hotel para fazer o check-out, mas como até 1 não tínhamos planos de sair, ficamos uma hora investigando os arredores. Andamos pela Rua Alfaros até chegar à igreja de Santa Marina. Dentro da igreja, ele exibira o dossel da Virgem, uma obra de considerável ourivesaria, toda feita de prata. Vale a pena ver! No caminho, passamos pelos restos do templo romano de Claudio Marcelo, onde você pode ver parte das colunas do templo.

Às 1 horas, retornamos ao hotel para pegar nossas malas e partir para a estação. Desta vez, decidimos pegar o ônibus. No caminho para a parada, começou a chover, mas felizmente o ponto de ônibus estava coberto. Nosso ônibus demorou muito para chegar e, até as duas da tarde, não chegamos à estação de trem. A primeira coisa que fizemos foi comprar os ingressos para Sevilha. Esse era o único trem que eu não tinha reservado porque pensei que não haveria muitos problemas para encontrar passagens. Bem, se negligenciarmos, não poderíamos pegar o trem que planejávamos pegar! Compramos os dois últimos bilhetes disponíveis do trem Avant que saíam às 15:40. Enquanto esperávamos o trem, tivemos tempo de comer no cardápio do restaurante da estação: salmorejo e lentilhas primeiro e bife e salmão depois.

Pin
Send
Share
Send